23/02/20
32º/19ºLONDRINA
Isabel Furini
Isabel Furini
01/02/2019 - 07:05
Imprimir Comunicar erro mais opções
Quando a tal felicidade bater,
não olhe pelo olho mágico
ou pela fresta da porta.
Escancare seu coração...
Pois, somente assim
é que terás oportunidades de ser feliz!
Se jogue nos braços da vida e siga...
Caminhe para frente e veja,
o mar de gente torcendo por sua queda
e se cair levante, pois os verdadeiros amigos
não te deixarão no chão!
Após as grandes tempestades
é que os campos florescem
e emana as fragrâncias das flores.

Amaury Nogueira
Poeta Paranaense

30/01/2019 - 18:57
Imprimir Comunicar erro mais opções
A poetisa Eliane Hüning Corona, foi uma das organizadoras do 1° Concurso Literário Internacional de Conto e Poesia Reinaldo Corona Promovido pela Huning Editora, em parceria com Machadinho Thermas Resort Spa e Escola Estadual de Ensino Médio Castro Alvez de Machadinho - RS, já divulgou os nomes dos ganhadores dos Concursos de Poesia e de Contos.

Os contos e poemas selecionados farão parte de um livro que será lançado no mês de março na cidade de Machadinho – RS, na 2º Edição do Festival Literário de Machadinho e Feira do Livro Reinaldo J. S. Corona "In memoriam".



29/01/2019 - 20:54
Imprimir Comunicar erro mais opções

O choro da terra


O que "VALE" a dor
Para quem perdeu
O "DOCE"
Perdeu seu irmão
Sua filha, seu filho,
A casa,
A esperança,
Só lhe restou a agonia, pois
O "BARRO" levou tudo
Mostrando a força da Mãe Natureza
Aos gananciosos
Àqueles que continuam
A destruir nossa Terra!

Marli Andrucho Boldori
Acadêmica da AVIPAF - Cadeira: 11



TRAGEDIE ANNUNCIATE
«Quando succedono tragedie immani, non è possibile aermare che sia stata una fatalità, perché le disgrazie sono sempre frutto della mancanza di senno, della cieca avidità, dell’esasperata corsa al potere, della disumana e criminale indierenza di tutti coloro che dovrebbero fare e non fanno e che pur di lucrare stravolgono la Natura, che alla ne si ribella, sterminando popoli inermi e innocenti generazioni.»
Autocitazione tratta dalla raccolta "La Luce dei Pensieri".
© Copyright 2016 - Miriam Maria Santucci

Tragédias anunciadas
«Quando grandes tragédias acontecem, não é possível dizer que foi uma fatalidade, porque os infortúnios são sempre o resultado da falta de sabedoria, da ganância cega, corrida exasperada ao poder, da indiferença desumana e criminosa de todos que deveriam fazer mas não fazem nada e, para conseguir lucros, perturbam a Natureza, atè que ela se rebela, exterminando povos indefesos e inocentes gerações.

Miriam Maria Santucci
Acadêmica da AVIPAF - Cadeira: 22

***

[bC Chora

Chora Brumadinho, Choram todos os Mineiros.
Choramos todos nós brasileiros.
Chora o Mundo Inteiro.
Tristeza, Desolação,
Revolta e Incerteza!
Ambição, Ganância e Corrupção!
Até quando? Até quando?
Isso não acaba Não?
Essa Tragédia, já era Anunciada,
Poderia ter sido evitada!
Tanta desgraça, apenas para satisfazer a quem só quer
realizar seus próprios interesses.
Muitos bilhões em sua conta bancária.
Basta de tanta Ganância, Chega de Corrupção.
À Impunidade, diga "Não!"

Vera Lúcia Cordeiro - AVIPAF cadeira 15
28/01/2019 - 07:04
Imprimir Comunicar erro mais opções
Alerta

Triste sina
Sino cruel
Porque o silêncio
Quando devias
Gritar, soar e ressoar?
Salvar
Fazer valer a vida
Antes da lama
Que agora nos cobre a todos.

Sonia Maria Cardoso - Acadêmica da AVIPAF - Cadeira: 30

***

Vale Brumadinho

Vale Mariana
Vale que derrama
Sobre Brumadinho
Sobre Mariana

Vale a surpresa
Vale a represa
Que se foi embora
Sobre Brumadinho
Brumadinho chora

Cada Brumadinho
Cada Mariana
Mata um pouquinho
Cada pedacinho
Cada esperança.

27.01.2019
Decio Romano
Acadêmico da AVIPAF - Cadeira: 18



Tragédia em Brumadinho

Lugar tranquilo e Feliz!
De repente, chega sorrateiro, sem qualquer aviso.
Um terrível ladrão, roubando a Paz e o sossego.
Rompe-se uma barragem, e vem arrastando tudo que
encontra pela frente.
Em seu caminho de forma inadequada e irresponsável está
o refeitório dos funcionários e uma Pousada.
Dentro, centenas de pessoas, que são arrastadas e soterradas
Sem dó nem piedade!
Vidas ceifadas. Triste Humanidade!

Vera Lúcia Cordeiro – Acadêmica da AVIPAF cadeira n°15

***


Quanto Vale a vida?

Há quem afirme
que viemos do barro...
Talvez ninguém imaginasse
que voltaríamos à lama
por duas vezes nas cidades
de Brumadinho e Mariana...
Parecia tudo tão "arrumadinho",
mas o raio da barragem caiu
no mesmo lugar, duas vezes...
No mesmo estado de Minas Gerais:
estado de choque...
Do alto do escritório climatizado
ninguém protegeu a vida
(isso não dá ibope),
por isso há quem diga
que agora a natureza revida.
O dinheiro fala mais alto
seja nas grandes empresas
ou no Palácio do Planalto.
No país do jeitinho
não há mais o que dê jeito
na barragem de rejeitos.
Porém, uma outra barragem
parece que não se rompe:
a barragem dos rejeitados...
Barragem de quem traz na bagagem
a barra de ser barrado no dia a dia,
sendo apenas números, dados
abandonados pela economia.
Seguem como joões-de-barro
buscando inutilmente suas casas
dentro do barro do esquecimento...

(Igor Veiga - "Perigor")
Acadêmica da AVIPAF - Cadeira: 32
27/01/2019 - 10:23
Imprimir Comunicar erro mais opções

Tristeza


Lama
Lama
Lama.


Lamaçal.

Lágrimas
descomunal.

Maria Antonieta Gonzaga Teixeira

*

Déjà Vu

Não sei se choro ou grito
Vejo uma tragédia repetir
Outro rompimento maldito
Na lama vidas vão sucumbir

Nem é preciso ser perito
A Vale não quis ali investir
Três barragens e um conflito
Pr'algum lugar elas vão fluir

As mineradoras o solo rasgam
Tiram grana e devolvem lama
Culpa? Elas sempre negam...

Outra vez a natureza reclama
Novamente os mineiros choram
E Brumadinho é visitada pelo IBAMA

Elciana Goedert (Ciça)

Fotografia de Isabel Furini
Fotografia de Isabel Furini


Neve do Tempo


Pouco a pouco espalhados,
Cobrindo jardins e eirados,
Flocos de neve vão,
Embranquecendo o chão.

Ao soprar do vento,
O vigor, a formosura, o alento,
Desaparecem sem guarida,
Na finitude da vida.

Poema da Professora Maria da Glória Colucci

*


A lama


Esvai vidas
Mais uma ferida
A se lamentar.
Entre a lama
Qual flor de lótus
Do lodo brotam
Límpidas almas
Para o céu enfeitar.
Escorre a lama
Como se fosse cama
Deitam os sonhos
Antes risonhos
E no vale medonho
Pra sempre adormecem
Sem florescer.

Daniel Mauricio
Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE