23/02/20
32º/19ºLONDRINA
Isabel Furini
Isabel Furini
01/04/2019 - 19:32
Imprimir Comunicar erro mais opções
FORMAS PARA O CONCURSO EM LÍNGUA PORTUGUESA

1. Máximo de 2 (duas) trovas em cada categoria
§1 – O trovador somente poderá participar em uma categoria.
2. Sistema de envelopes
As trovas devem ser coladas na face de um pequeno envelope. Dentro dele deverá estar o nome do autor completo com seus dados pessoais: cidade/estado/país, e-mail para contato, telefone fixo (e operadora para contato, no caso de celular. Ex: TIM, Vivo, Claro, etc.).
Na face externa do envelopinho a trova (DIGITADA ou DATILOGRAFADA, não serão aceitas manuscritas), o tema no alto da trova e categoria que concorre (Nacional ou Estadual). Caso seja Novo Trovador, colocar abaixo da trova esta categoria. Lacrar o envelope. Num envelope maior colocar o nome e endereço a quem deve enviar, e no remetente, o mesmo endereço para quem
está enviando, e o nome Luiz Otávio.
Observação: A trova deve ser digitada (datilografada), não serão aceitas trovas manuscritas.
Exemplo:
§ - Seja por envelopes ou por email, é necessário constar a que categoria (Nacional ou Estadual) a que concorre.
3. As trovas podem também ser enviadas por email, para o Fiel Depositário, José
Feldman, email: [email protected],

4. As Trovas devem ser inéditas, isto é, que não tenham sido premiadas em
outros concursos ou divulgadas pela Internet ou outros meios de divulgação
até a data da publicação do resultado.

5. O Trovador só poderá participar em 1 (uma) categoria ou 1 (um) âmbito. Exs: Se for Novo Trovador não poderá participar de Veteranos também, ou vice-versa. Se for do Paraná, só poderá participar no Estadual.
§1 - Muita atenção a qual categoria concorre (Nacional ou Estadual).
§2 – Excepcionalmente, os trovadores da Academia Brasileira de Trova
podem participar do âmbito Nacional/Internacional, contudo, não poderão ser as trovas que concorrem na ABT.
Caso isto ocorra, as do Nacional/Internacional serão automaticamente eliminadas.6. O Prazo se encerra em 30 DE JUNHO DE 2019. (válido o carimbo do correio), ou até meia-noite deste dia, se for por e-mail.
7. Será considerado Novo Trovador, aquele trovador que não obteve até a divulgação deste regulamento 3 (três) classificações em concursos de trovas oficiais da UBT, a nível nacional, independente de ser associado ou não à UBT.
8. Os resultados serão divulgados no blog Pavilhão Literário Singrando Horizontes (singrandohorizontes.blogspot.com.br), facebook, emails enviados aos premiados, revistas virtuais, academias, sites e jornais.
9. As decisões das comissões julgadoras serão definitivas.
10. A premiação, composta de certificados, será enviada diretamente aos premiados via e-mail.
11. A participação no concurso significa aceitação plena das normas aqui relacionadas.
Maringá, 30 de março de 2019.
José Feldman - criador do Blog Pavilhão Literário Singrando Horizontes

contatos: [email protected]
26/03/2019 - 17:56
Imprimir Comunicar erro mais opções
Em 23 de março, 19 horas, no 2º FELIMA (Festival Internacional Literário de Machadinho), foi lançada a coletânea "Emoções", da editora Hüning, organizada pela poetisa Eliane Hüning Corona,
Eliane organizou o 1º Concurso Internacional de Poesia Reinaldo Corona e selecionou os melhores trabalhos para o livro.

O homenageado (in memoriam), Reinaldo João dos Santos Corona, natural de Machadinho (RS), escreveu inúmeros artigos em revistas jornais, deixou seu regisro na poesia com o livro Reconstrução. Também escreveu para o público infantil "O colorido das fábulas". Ele abandonou o mundo físico em 2008.

No livro Emoções foram publicados poemas selecionados no concurso de autores autores de vários países: Alvaro Olmedo (da Argentina), Denise Reis (Brasil), Edenica Fraga (Brasil), Eugênio Poliski (nascido nos Estados Unidos, de criança foi morar na Argentina), Guilhermo Furlon Franco (México), Ivone Maceieski (Brasil), Isabel Furini (Argentina), Liz Rabello (Brasil), Mariane Kerbes (Brasil) e Susana Cordisco (Argentina).

No final do livro foram publicados trabalhos de escritores locais. São eles: Almir Antônio Isganzella, Dorvalino Paloschi, Marinês Fabro Masso, Neli Luchessi, Peter Menegat, Reni Terezinha Duarte, Andersen Crestani, Enisabete Conceição Machado Novakoski.

Foi apresentadora dos participantes do livro e do lançamento a jornalista Mariane Kerbes.

Fotografia de Eliane Huning
Fotografia de Eliane Huning - Autografando Isabel Furini e Eliane Huning.
Autografando Isabel Furini e Eliane Huning.


Fotografia de Eliane Huning
Fotografia de Eliane Huning - Eliane Huning e Isabel Furini
Eliane Huning e Isabel Furini


Fotografia de Eliane Huning
Fotografia de Eliane Huning - Grupo de escritores de Machadinho, RS.
Grupo de escritores de Machadinho, RS.


Fotografia de Eliane Huning
Fotografia de Eliane Huning
19/03/2019 - 20:38
Imprimir Comunicar erro mais opções
A Kotter Editorial convida para o lançamento do livro Fascinação, escrito por Flavio de Souza e Luci Collin, que sai pelo selo Kotter no dia 23 de março (sábado), às 14h00 na livraria do Sesc Paço da Liberdade, em Curitiba.
O Selo Kotter é especializado em Poesia, Literatura, Arte e Filosofia.



SOBRE OS AUTORES

FLAVIO DE SOUZA

Paulista, é dramaturgo, roteirista de cinema e TV e autor de livros para crianças, jovens e pessoas em geral.  Foi criador e roteirista das séries Castelo Rá-Tim-Bum e Mundo da Lua na TV Cultura, e roteirista e redator final de Sai de Baixo na TV Globo. Tem mais de 50 livros publicados entre eles Vissi D’Arte, biografia de Marília Pêra, Chapeuzinho Adormecida no País das Maravilhas (Prêmio Jabuti 2006) e Antes e Depois, (Troféu APCA 2015). É autor, entre 60 outras, da peça Fica Comigo esta Noite (Prêmio Shell 1989), e diretor da primeira montagem, com Marisa Orth, que teve montagem em Paris, com Cristiana Reali. Ganhou o prêmio de melhor roteiro nos festivais de cinema de Gramado e Brasília com o curta de animação Almas em Chamas, de Arnaldo Galvão. Mudou-se em 2014 para Curitiba, para estar perto de sua escritora preferida, Luci Collin.

LUCI COLLIN

Poeta, ficcionista e tradutora curitibana, tem 20 livros publicados entre os quais Querer falar (poesia, Finalista do Prêmio Oceanos 2015), A palavra algo (poesia, Prêmio Jabuti 2017), A peça intocada (contos, 2017) e Papéis de Maria Dias (romance, 2018). Participou de diversas antologias nacionais e internacionais (EUA, Alemanha, França, Bélgica, Uruguai, Argentina, Peru e México). Bacharel em Música (Piano e Percussão Clássica) e graduada em Letras Português/Inglês concluiu, na USP, o Doutorado e dois estágios pós-doutorais. É Professora de Literaturas de Língua Inglesa e de Tradução Literária na UFPR. Com o compositor Rodolfo Coelho de Souza, escreveu o libreto da ópera A Máquina de Pascal em Pernaguá. Já traduziu Gertrude Stein, E. E. Cummings, Gary Snyder, Jerome Rothenberg entre vários outros. Desde os 4 anos tinha planos de se mudar para São Paulo, mas permaneceu a vida toda em Curitiba só para ali, uma tarde, conhecer seu ídolo, Flavio de Souza.
15/03/2019 - 16:12
Imprimir Comunicar erro mais opções
Morei 2 anos em Itaquá, ao lado de Suzano, cidade do massacre da escola, e quero desabafar sobre essa adolescência perversa, que existe atualmente...

Sou Psicóloga Junguiana. Professora de Teatro. Meu sonho sempre foi fazer minha parcela de contribuição social, obtive isso, quando Psicóloga Social, fui trabalhar na Zona Leste de São Paulo, o que virou o meu Pior Pesadelo! E eu, não sabia de nada, inocente! Queria fazer a diferença, quando iniciei meu trabalho na Clínica "Mais Saúde" de Itaquaquecetuba. Atendi crianças, que falavam que não queriam "pais honestos" pois o vizinho: filho de traficante, tinham uma bola, e eles não! Atendi homens que queriam deixar " de levar vantagem em tudo" o lema atual brasileiro ao conseguirem serem honestos, eram estelionatários, fazendo vários golpes, falsificando assinaturas, conseguindo laranjas pra seus negócios escusos, e assim, no pessoal, como sintoma de seus atos virados em hábitos, não mais conseguiam falar a verdade, não eram mais honestos nem, a si mesmos. Atendi mulheres que sofriam abusos diários: psicologicos quando não físicos, que justificavam sua submissão se acomodando: "é o jeitão dele mesmo, Doutora!". Crianças com PC (Paralisia Cerebral) que ao investigar, ocorria no único hospital da cidade, quando o mesmo médico, induzia o parto, ao inves, de fazer a cesárea indicada: ainda quando explicava isso ouvia "Mas Deus quis, Doutora!" Mas esse médico ajudou por negligência ou preguiça, né! Atendi muita maternidade precoce: meninas adolescentes grávidas, e até por abuso e violência sexual do Pai! Foi um AC e DC. Um marco em minha vida de uma Antes Carla e outra Depois Carla, que não só caiu na real como foi soterrada por ela! Socorro, sem a fantasia do sonhar, por algo melhor no futuro, a realidade nua e crua, é o nosso pior pesadelo, no pessoal e no social, também. Utilizo o plural, em meu desabafo, porque alerto a perversão que se cria em nossa sociedade atualmente... Primeiro, a violência infantil inicia-se com a alimentação oferecida à criança na infância. Quando não recebe a quantidade necessária de proteína bainha de mielina não se forma normalmente nos neurônios. E esse Ser é destinado a ter um raciocínio concreto e imediatista, feito uma criança mimada durante toda sua vida. Seres limítrofes sem pensamento abstrato que o possibilite simbolizar... Já pensou como nossa sociedade já pode estar assim? Uma sociedade limítrofe, que o pensamento concreto faz com que o Ser -todos somos humanos até que se prove o contrário!- seja guiado por impulsos primitivos agressivo e sexual de satisfação imediata! Em termos psicanalíticos: Ser Perverso! Já imaginaram como é o funcionamento dessa sociedade, atualmente? Seres adolescentes mimados com necessidades agressivas e sexuais de satisfação imediata! Feitos animalzinhos soltos por aí, sem nenhum limite interior, portanto sem possibilidade de se estabelecer a convivência social!

É o que presenciei que na Zona Leste, acontece! Adolescentes Imediatistas, alto impulso de morte expresso em sexualidade exacerbada e agressividade tanto direcionada para os outros ou para si mesmo: a auto mutilação, para no concreto físico aliviar a dor emocional, num rastro em lâmina de apontador! Para apontar o quê? A família, primeira pequena sociedade, que estabelece os limites para a convivência na grande sociedade, está sem identidade, sem demarcação própria, desconhece qual o papel social que cada um de nós exerce na família nuclear. Assim, a Criança vivendo e sobre- vivendo no formato de Grande Família - que não é o programa de TV que retrata uma família de papéis estabelecidos- mas Sim, o formato num terreno abrigar gerações diferentes, formato de habitação na Zona Leste de São Paulo. Assim, a Criança Pobre ou a Pobre Criança, como preferir, numa sessão de família na clínica psicológica, pede seis cadeiras pra receber os seus pais? Como assim questionei porém deixei a pergunta pra mim e silenciosa esperei a resposta... Primeiro senta a Avó que tirou o papel de Mãe da sua filha, impedindo essa mulher de exercer seu papel, por se qualificar mais merecedora que a filha por aquela criança que na realidade por mais que ela quisesse, não é sua filha, e sim sua neta! Assim, a mãe que a pariu, perde sua maternidade frente aquele sistema familiar doentio. E passa a ser a irmã mais velha de seu filho, a comportando como rebelde, querendo disputar a atenção de sua mãe, começa a se comportar com eterna adolescente, bebendo se drogando nas baladas da Vida. Numa cadeira reservada era pro Tio. O Tio Pai porque a irmã era rebelde sem responsabilidades, e joga a Criança pra ao invés do homem que a concebeu pro Tio ser o Pai. Aí a dinâmica fica um casal: Avó e Filho. E esse filho será destinado a ser pai de seus sobrinhos e não ter família própria por ser casado com essa mãe castradora! Socorro, como uma criança pode introjetar uma dinâmica familiar dessas? Sendo que nem eu, com anos de estudo, consegui entender ou aceitar isso? Bem, aí a Criança cresce e é o adolescente Perverso, que como não tem demarcação de sua identidade e papel social externo como pode ter limites internos?

Assim, inocentemente, fui me oferecer como Professora de Teatro que sou, a fazer Arte Terapia com todos esses Jovens de Itaquá que atendia na clínica psicológica, pois vi a necessidade dessa população de ter um espaço para sonhar com sua vida futura. Qual foi minha surpresa da dificuldade ou incapacidade de sonhar de alguns de meus alunos, pois sem conseguir chegar ao pensamento simbólico, abstrato, atingia apenas o concreto. Assim, nos meus planos de aula, comecei a adequar a necessidade de cada um, levava cartas concretas que pudessem sugerir à criação imaginativa do Ser. No Brasil, só se muda uma fechadura, quando o bandido rouba a casa! Esse é o pensamento arraigado de apenas fazer os re-mendos com o que sobrou de algo. Percebendo, a necessidade de um trabalho preventivo com esses adolescentes, que atendia de manhã na Mais Saúde e à tarde na Secretaria de Cultura, quis um horário na agenda da Secretária de Ação Social, para propor o meu projeto "Os Alquimistas do Agora" para prevenir dependência química e outros conflitos de identidade nesses jovens. Qual foi minha surpresa que ao invés de ouvir um SIM, da esposa do prefeito Mamoru. Ouvi, da Mulher que tinha a possibilidade de mudar a cultura local em suas mãos: "Porque prevenir se já temos esse problema, Doutora?" Espero que acordem, enquanto ainda há tempo. Ao saber, sobre o massacre da Escola Pública, pensei e senti de coração se fosse em Itaquaquecetuba. Eu conheceria cada um dos jovens que morreram e que se mataram, também...
Eu morei lá...



Carla Ramos é psicóloga e escritora.
13/03/2019 - 07:57
Imprimir Comunicar erro mais opções
De 21 a 23 de março/2019, a cidade de Machadinho festeja o 2º Felima (Festival Literário Internacional de Machadinho), sob a curadoria de Carlos Henrique Schroeder.

Fabrício Carpinejar, o renomado poeta e cronista gaúcho, palestrará sobre "Amizade também é amor". Eu, Isabel Furini, administradora deste blogue de literatura, recebi convite para palestrar sobre "Dez dicas para escrever um livro". João Chiondini falarŕa sobre a Arte de Escrever.

Outro momento importante do Festival será o lançamento do livro "Emoçoes", da Hüning editora, organizado por Eliane Hüning. No livro estão os poemas e contos dos vencedores do concurso promovido pela editora. O festival também terá a participação do grupo Trip Teatro, que apresentará "O flautista de Hamilin" e "O incrível ladrão".

Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE